Archive for the ‘Seminário’ Category

Política via celular?

11/11/2009

Scott Goodstein, um dos estrategistas da campanha de Barack Obama, é especialista no uso de celulares e abordou a atuação desta mídia na campanha política, durante o 1º Seminário de Estratégia de Comunicação e Marketing da George Washington University.

Para ele o desafio em atuar com a comunicação via celular na política é o alto custo do serviço de transmissão de dados. Ele também afirma que nos EUA grande parte da população não tem acesso à tecnologia 3G, o que restringe a atuação dos possíveis apoiadores do candidato.

Anúncios

TV, internet e política

09/11/2009

Jason Ralston, o responsável pela criação da publicidade da campanha presidencial de Barack Obama, comenta sobre como aliar política, internet e televisão. Durante o 1º Seminário de Estratégia de Comunicação e Marketing da George Washington University, o estrategista ressalta que a TV continua sendo o meio mais eficaz para convencer os eleitores.

Já o grande papel da internet é organizar os apoiadores do candidato. Para ele, o fato de usar novas tecnologias na campanha reforça a ideia de que o candidato é adepto a novidades, o que de certo modo faz com que o meio se torne parte da mensagem. Veja mais sobre a palestra de Jason no vídeo abaixo:

Ben Self comenta a relação entre política e internet

27/10/2009

Durante o 1º Seminário de Estratégia de Comunicação e Marketing da George Washington University, Ben Self, um dos estrategistas da campanha de Barack Obama, ressalta a importância da internet nas campanhas políticas e nas relações sociais.

Ben destaca que, atualmente, as pessoas buscam estreitar suas relações pela web, tendo como base experiências que proporcionam a interação e o engajamento. E essa não é uma exclusividade da política. Assita ao vídeo abaixo e saiba mais sobre o que foi discutido no seminário.

Deputados acompanham notícias do “Efeito Obama”

09/10/2009

Seis deputados federais e uma senadora, Rosalba Ciarlini (DEM-RN), já acompanham apelo Twitter as notícias sobre o seminário “Efeito Obama”, seguindo o perfil oficial do seminário. Dois deputados federais e dois vereadores (um de São Paulo e outro de Curitiba) também já estão seguindo os posts sobre o 1º Seminário de Estratégia de Comunicação e Marketing – a ser realizado nas próximas quinta-feira (15) e sexta-feira (16), em São Paulo.

Três dos deputados federais são do DEM: Abelardo Lupion (PR) e os jovens ACM Neto (BA) e Paulo Bornhausen (SC). Curiosamente, os três são filhos de antigas lideranças conservadoras: os falecidos Moysés Lupion e Antônio Carlos Magalhães e o presidente de honra Jorge Bornhausen. Os outros três deputados são Fernando Gabeira (PV-RJ), Paulinho da Força (PDT-SP) e Paulo Teixeira (PT-SP).

Todos esses deputados são influentes em seus partidos. Um dos menos conhecidos, Lupion é expoente da bancada ruralista. Teixeira foi secretário de Habitação na gestão municipal de Marta Suplicy e faz parte da Mensagem ao Partido, chapa de oposição nas eleições internas do PT. Gabeira, ambientalista e ex-guerrilheiro, e Paulinho da Força, líder sindical, estão entre os políticos de maior evidência no PV e no PDT.

Os dois deputados estaduais que já estão seguindo o perfil @efeito_obama, no Twitter, são de Santa Catarina: o petista Jailson Lima e o peemedebista Peninha. Também estão atentos ao Twitter (e ao seminário com os estrategistas da campanha de Barack Obama) dois vereadores tucanos: o curitibano João do Suco e o paulistano Floriano Pesaro.

Quem mais estará nesta lista até quinta-feira?

Time brasileiro qualificado para falar do “Efeito Obama”

08/10/2009

É um time de vencedores. Para falar do efeito Obama em São Paulo, a George Washington University escolheu uma equipe brasileira mais do que experiente em campanhas políticas – e em jornalismo, publicidade e áreas afins. Juntos eles já trabalharam em centenas de campanhas eleitorais, faturaram dezenas de prêmios, atenderam as maiores empresas e principais políticos do país.

Todos estarão nos dias 15 e 16 no hotel Renaissance, durante o 1º Seminário de Estratégia de Comunicação e Marketing, ao lado de quatro estrategistas americanos que participaram da campanha de Barack Obama à presidência. O evento é uma iniciativa da George Washingon University, com vários parceiros brasileiros.

Confira quem são os 17 brasileiros que participarão dos debates:

  • André Eppinghaus. O publicitário coordenou, no Rio, as campanhas de Sérgio Cabral (em 2002 e 2006) e de Eduardo Paes, em 2008;
  • Antônio Freitas. É da agência Master Comunicação. Coordenou diversas campanhas para prefeituras, governos e Senado;
  • Antônio Lavareda. Participou de 73 campanhas políticas. Foi consultor da Secretaria de Comunicação no governo FHC;
  • Cesar Paz. Presidente da Associação Brasileira das Agências Digitais;
  • Cila Schulman. Coordenou várias campanhas e desenvolve projeto de internet e novas mídias para a Executiva Nacional do PSDB;
  • Expedito Filho. Ganhou 15 prêmios de jornalismo como repórter dos principais jornais e revistas do país. É diretor da Máquina da Notícia em Brasília;
  • Flávio Castro. Jornalista pós-graduado em Relações Internacionais (Universidade de Bolonha), especialista em gerenciamento de crise;
  • Ivo Correa. Diretor de Políticas Públicas e Relações Governamentais do Google no Brasil. Trabalhou no Senado, Ministério da Justiça e Casa Civil;
  • Luiz Gonzalez. Sócio da produtora GW, uma das maiores do país, e da Campanhas, especializada em comunicação política e eleitoral;
  • Marcelo Castelo. Sócio-diretor da agência F.biz. Especialista em celulares, faz parte da Mobile Marketing Association e edita o blog MobilePedia;
  • Marcelo Simões. O publicitário trabalhou em 36 campanhas majoritárias – como as de Eduardo Duhalde (1999) e de Lula (2002);
  • Max Petrucci. Sócio-fundador da Garage. Lançou o MSN Messenger no Brasil e foi diretor de marketing da MSN, em Londres;
  • Nelson Biondi. Consultor de imagens, especialista em gestão de crises, assessorou diversos governos estaduais. Sócio da Flying Rivers;
  • Renato Pereira. Sócio da Prole Gestão de Imagem. Coordenou campanhas de Sergio Cabral e Eduardo Paes, no Rio;
  • Ricardo Kotscho. Colunista do iG e diretor da revista Brasileiros, foi secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência no governo Lula;
  • Rodrigo Mesquita. Sócio-fundador da SOS Mata Atlântica e sócio da RadiumSystems, que mantém a rede social Peabirus;
  • Rui Rodrigues. Vice-presidente da MPM Propaganda. Coordenou campanhas de José Serra, FHC e a campanha do Brasil na Fifa pela Copa de 2014.

Falta uma semana para seminário “Efeito Obama”

08/10/2009

tela_siteO seminário “Efeito Obama” começa daqui a uma semana em São Paulo, com abertura do prefeito Gilberto Kassab. Quatro estrategistas americanos que participaram da campanha de Barack Obama à presidência são os destaques do evento. Promovido pela George Washington University, o 1º Seminário de Estratégia de Comunicação e Marketing terá a participação de vários especialistas brasileiros, para um público em boa parte formado por lideranças partidárias.

A internet na campanha de Obama. O futuro da rede no Brasil. A comunicação e as eleições de 2010 no Brasil. A construção de mensagem: o caso Obama. O marketing via celular: o case da campanha de Barack Obama. Perspectivas do celular no Brasil. Desafios da construção e manutenção de imagem de empresas e políticos. O marketing político e o marketing institucional. A comunicação após o fenômeno Obama. Esses são, de forma resumida, os temas das exposições e debates do evento, que ocorrerá nos dias 15 e 16 no hotel Renaissance, para até 350 participantes, com tradução simultânea. A Máquina da Notícia mantém este blog e as atualizações no Twitter sobre o seminário.

Ben Self fará a abertura do evento no dia 15, sobre a internet na campanha de Obama. Peter Giangrego fará o enceramento, sobre as lições da campanha presidencial americana (a comunicação após o fenômeno Obama). Os outros dois especialistas americanos são Jason Ralston e Scott Goodstein, que falarão, respectivamente, sobre a construção de mensagem no caso Obama e o marketing via celular na campanha do democrata.

Seminário discute “novo mundo” da campanha política

05/10/2009

tela_siteO mundo político muda. Na mesma medida em que avançam as novas tecnologias. Não à toa, a palavra-chave da campanha de Barack Obama foi “change” – mudança. Celulares, email, redes sociais, arrecadação de verbas pela internet. Quanto essas mudanças – já uma realidade nos Estados Unidos – vão afetar as eleições de 2010 no Brasil?

Esse é um dos principais assuntos do 1º Seminário de Estratégia de Comunicação e Marketing, dias 15 e 16, em São Paulo. A iniciativa é da George Washington University, com vários parceiros brasileiros.

De um lado, os estrategistas da campanha presidencial de Obama. De outro, especialistas no universo eleitoral brasileiro. Os dois grupos falarão, no hotel Renaissance, para um público em boa parte formado por integrantes de partidos políticos.

Com a proximidade das eleições, líderes partidários e cientistas políticos atentam para a velocidade das mudanças no mundo das campanhas. O Brasil, que oscilou entre uma restrição maior à internet e a uma abertura (para muitos inevitável) desse universo, quase não tem histórico de disputa de idéias políticas no meio eletrônico.

Esse é o desafio proposto pela Graduate School of Political Management, da George Washington University. A instituição começa com o seminário a atuar no Brasil – um dos maiores palcos da democracia no mundo.

O evento terá exposições do reitor da GWU e de quatro estrategistas norte-americanos que participaram da eleição vitoriosa. Em pauta, o caso Obama e os meios (celular, email, internet) utilizados na campanha. Tanto na divulgação de mensagens como na captação de recursos. Por que Obama é o maior fenômeno de marketing dos últimos anos?

Os brasileiros participarão de palestras e mesas de debate sobre temas-chave para a aplicação desse conhecimento – amadurecido nos Estados Unidos, mas já globalizado. Entre eles estão Antonio Lavareda, Ivo Correa, Nelson Biondi, Ricardo Kotscho e Rodrigo Mesquita.

Os políticos querem saber como a construção da imagem de partidos (e também de empresas) entra nesse caldo cultural eletrônico. E mais: como se utilizará o celular por aqui, com nossas regras específicas? O que será possível fazer já em 2010 e o que ficará para os próximos pleitos?

Apoiam o evento em São Paulo os seguintes patrocinadores: Banco Santander Brasil, Enox, jornal O Estado de S. Paulo e agência AG2. Os parceiros são o Instituto Endeavor, a Fundação Brava, Meu Estúdio, Centro de Liderança Pública e Abradi (Associação Brasileira das Agências Digitais). A assessoria de imprensa e a presença do evento na web são da Máquina da Notícia.