Posts Tagged ‘Efeito Obama’

Política via celular?

11/11/2009

Scott Goodstein, um dos estrategistas da campanha de Barack Obama, é especialista no uso de celulares e abordou a atuação desta mídia na campanha política, durante o 1º Seminário de Estratégia de Comunicação e Marketing da George Washington University.

Para ele o desafio em atuar com a comunicação via celular na política é o alto custo do serviço de transmissão de dados. Ele também afirma que nos EUA grande parte da população não tem acesso à tecnologia 3G, o que restringe a atuação dos possíveis apoiadores do candidato.

Anúncios

Os desafios da construção e manutenção da imagem pública de empresas e políticos, apresentação de Expedito Filho

20/10/2009

Expedito Filho é jornalista e diretor corporativo do Grupo Máquina, em Brasília. Em mais de 30 anos de carreira, foi repórter, repórter especial, editor e correspondente de veículos como Veja, Época, IstoÉ, IstoÉ Dinheiro, Estado de S. Paulo, Jornal do Brasil e rádio CBN. Ganhou mais de 15 prêmios de jornalismo ao longo da carreira, inclusive três prêmios Esso.

Saiba como foi a participação de Giangreco durante o 1º Seminário de Estratégia de Comunicação e Marketing da George Washington University:

O mapa do eleitor americano, segundo os democratas

17/10/2009

Religioso? Republicano. Sindicalizado? Democrata. Costuma caçar? Republicano. Solteira? Democrata. Essas são algumas das tendências do eleitorado americano, segundo Peter Giangreco – um dos quatro estrategistas da campanha de Barack Obama que participaram do 1º Seminário de Estratégia de Comunicação e Marketing, em São Paulo.

Goodstein encerrou o evento, sobre o “efeito Obama” nas eleições pelo mundo, falando da estratégia de microtargeting na campanha do democrata. O microtargeting reúne informação altamente qualificada sobre o eleitorado. Com base em uma imensa base de dados, construída gradualmente, a equipe de Obama fazia intervenções mais precisas nas residências.

Por meio do recurso “porta em porta”, os voluntários batiam na casa de eleitores em seus bairros, após um mapeamento inicial feito pela equipe de campanha. O morador da casa era um idoso, com posse de armas e muito religioso? Então nem adiantava tocar a campainha ou enviar uma mala direta – provavelmente era um republicano empedernido e irrevogável.

Pelo contrário, se fosse uma mulher solteira ou viúva, de origem latina, ligada a algum sindicato, e ainda não estava cadastrada na campanha de Obama, aí valia tentar mais um voto. Isso não era feito por um militante qualquer a cair de pára-quedas na vizinhança, mas alguém do bairro, capaz de estabelecer uma conexão mais pessoal com o eleitor.

Todas essas informações sobre os cidadãos americanos foram obtidas de diversas formas. Por exemplo, dados das operadoras de cartão de crédito diziam se aquele morador tinha ou não comprado uma revista de caça – um provável republicano. “Cada vez que um americano passa o cartão sabe que está passando alguns dados”, explica Goodstein.

A definição detalhada do mapa eleitoral de uma região permitia à equipe de campanha focar onde se achava que podia ganhar. Dessa forma, os democratas conseguiram ganhar em estados como Carolina do Norte (mobilizando jovens, negros, mulheres solteiras), Lousiana e Indiana – onde não venciam desde Lyndon Johnson, em 1964. “Porque Barack Obama inspirou novas pessoas no eleitorado”, diz o estrategista.

Ele mostra que não se deve confundir mapeamento geográfico com microtargeting. O mapeamento geográfico pode ser obtido por uma pesquisa eleitoral – que mostra, por exemplo, que os eleitores da Vila Maria, em São Paulo, são conservadores. Mas quais são as casas dos conservadores e as dos demais? O microtargeting aumenta as chances de se encontrar um indeciso, a partir do perfil pessoal e dos hábitos de consumo.

Em Ohio, a campanha produziu uma revista chamada “Obama”, no estilo da antiga Life. O alvo eram os eleitores idosos. Na capa da revista estavam os pais de Obama. Ele, veterano do Exército. Assim, a campanha mexia com a nostalgia da Segunda Guerra Mundial, para tocar o coração dos eleitores – mostrando que Obama era alguém próximo deles.

“Brasileiros devem investir no porta em porta”, diz estrategista

17/10/2009

Em vez de esperar pelo período de 45 dias de campanha televisiva antes das eleições, os brasileiros precisam investir na estratégia do “porta em porta”. Reunir pessoas que possam ajudar a montar a lista de preferências dos eleitores. Primeiro deve resolver o problema da ausência de um banco de dados sobre o eleitorado – quanto mais robusto ele for, maiores as possibilidades de eficácia. Se partidos investirem tempo e dinheiro nisso, vão ganhar.

Essas são algumas das considerações de Peter Giangreco sobre a eleição em 2010 no Brasil. “Sem os dados dos eleitores, fazer o microtargeting será muito difícil. Vocês devem construir a base de dados. De 0 a 100, classificar quem pode ser persuadido ou não, em cada região”, afirmou, durante o 1º Seminário de Estratégia de Comunicação e Marketing, em São Paulo, sobre o “efeito Obama”.

Ele avisa que isso leva tempo. Para chegar ao nível de detalhamento do eleitorado que garantiu a vitória do democrata, o partido gastou entre US$ 2 milhões e US$ 3 milhões. “Tinha equipe trabalhando só com a definição dos alvos”, conta. Fora os US$ 20 milhões em mala direta – isso só na eleição presidencial. “Mas foi um investimento com retorno”.

A estratégia de Obama, segundo Jason Ralston

15/10/2009

Qual foi, afinal, a estratégia de campanha de Obama? A exposição de Jason Ralston no seminário “O Efeito Obama”, em São Paulo, ganhou contornos didáticos, de tão detalhada nesse sentido.

Em 2004, emergia a marca Obama. Cabia aos estrategistas – quatro deles presentes no 1° Seminário de Estratégia de Comunicação e Marketing – desenvolver essa marca. “Tínhamos de entender a sua vida, seus planos, ideias, mas principalmente a noção de mudança, esperança”, conta Ralston, o estrategista especializado na mensagem.

E por que mudança e esperança? “Porque é preciso começar com a autenticidade”, explica.

Em segundo lugar, era necessário ver o ambiente político – o sentimento do eleitorado. “Ele estava descontente com o rumo que o país estava tomando, com Bush. Queria nova direção”.

Depois, tinha a questão da aspiração. Do sonho. “As pessoas querem acreditar que vão estar melhor”, avalia Ralston. “As principais campanhas foram de líderes que nos trouxeram esperança: Kennedy, Reagan”.

E, fundamental: o novo. “A construção da imagem de mudança”.

No meio disso tudo, o meio é a mensagem: a campanha on-line.

Perpassando todos esses itens, foram definidos quatro pilares da campanha:

  1. Unidade. Obama, sozinho, poderia tornar o país uno novamente. Não se podia mais confiar nos republicanos. Hillary dividia demais.
  2. Reforma. Existia um pensamento de que Washington estava sendo estrangulada por interesses especiais, lobbistas, que bloqueavam a mudança. Apertavam a classe média e os eleitores. A plataforma de Obama era a de quem ia mudar isso e colocar novamente o governo nas mãos do povo.
  3. Honestidade. População não gosta dos políticos após algum tempo (estamos aqui reproduzindo palavras de Jason Ralston…). Queríamos representar um novo tipo de política, com verdades. Muito importante após a guerra do Iraque. Restaurar a honestidade o foi terceiro pilar.
  4. Esperança.

A partir disso, seguindo o raciocínio de Ralston, foram desenvolvidos três objetivos estratégicos. Dentro de uma seguinte percepção: um eleitorado com fome de mudança.

  1. “Nós somos a mudança”. Havia um risco de que John McCain, reformador, ocupasse esse espaço.
  2. Foco na economia. Mostrar que Obama mudaria a economia.
  3. Reafirmar os votos em Obama. Assegurar que ele era diferente e preparado, diante dos boatos e rumores.

Em cada um desses itens, Ralston detalhou subitens. Por exemplo, no caso da mudança, trabalhar a história de vida do candidato, conectar McCain a George W. Bush e aos “interesses especiais” de Washington. McCain e a vice Sarah Palin eram apresentados como “mais do mesmo”.

E muito mais. As táticas-chave, por exemplo – já que definidas as estratégias: ampliar o mapa; ampliar o eleitorado; abraçar novas maneiras de comunicar (novamente aqui a internet); criar um movimento.

E algumas lições aprendidas:

  • Saber o ponto principal
  • Ser disciplinado e comunicar uma mensagem clara
  • Construir relacionamentos com eleitores e apoiadores
  • Utilizar tecnologia e integrar esforços de comunicação.

Ralston avisa que não sabe se essas lições serviriam no Brasil.

Internet na campanha de Obama: “meio é a mensagem”

15/10/2009

Jason RalstonA internet foi a melhor maneira de demonstrar ao eleitor americano que Barack Obama era o candidato do amanhã, do novo. “Foi um elemento da mensagem”, disse em São Paulo um dos estrategistas da campanha de Barack Obama, Jason Ralston, durante o seminário “Efeito Obama”, da George Washington University.

Ele citou diretamente a frase “o meio é a mensagem”, de Marshall McLuhan, para falar da importância da utilização da internet na campanha do democrata – na qual as palavras “mudança” e “esperança” eram fundamentais. “A internet transformou nossas campanhas”, disse.

Não que Ralston e os demais estrategistas – outros três deles presentes no 1º Seminário de Estratégia de Comunicação e Marketing – tenham decidido tomar a internet isoladamente das outras mídias. Ele deixou claro durante sua fala que internet e televisão faziam parte de um esforço integrado de comunicação – ambos não eram um fim em si.

Na avaliação do especialista, Barack Obama não teria obtido em 2000 o mesmo sucesso – mesmo nas prévias democratas. “Em 2000, seria muito difícil ser candidato contra Hillary, pois ela levantaria muito mais dinheiro do que ele. E seria difícil competir com campanha de televisão. Por ser internet, e por ser capaz de desenvolver a campanha de maneira apaixonada, Obama conseguiu”, disse.

A estratégia de campanha de Obama foi mais horizontalizada do que a média. Houve uma busca do empoderamento das pessoas nos níveis locais. Ralston lembrou que muitas vezes as boas idéias vêm de fora do círculo. “Um dos vídeos mais baixados na internet foi produzido por um cantor de música pop”, contou.  Ele se refereia ao vídeo de Will.I.Am,  “Yes, We Can”:

Tanto internet como televisão tinham a ver com uma necessidade de campanha: velocidade. “Tudo era dedicado a fazer de Obama a principal história do dia”, disse Ralston.

As especificidades do candidato também influenciaram o formato. Por exemplo, logo se percebeu que não havia substituto para ele no caso de olhar as pessoas nos olhos. Por isso, optou-se por ele olhar diretamente para a câmera em muitos vídeos. “Era uma abordagem mais íntima de quem ele era”, contou o estrategista.

A campanha do democrata manteve ainda um site de defesa contra boatos: o  www.fightthesmears.com. “Boatos sobre seu histórico nos fizeram dormir até mais tarde”, disse Ralston.

Especialistas destacam papel das 90 mil lan houses na inclusão digital

15/10/2009

lanhouse+maranhenseEstima-se em 90 mil o número de lan houses no Brasil. Dois dos três especialistas presentes na primeira mesa-redonda do seminário “efeito Obama” apontaram esses pontos comerciais como mais importantes do que os telecentros, hoje, no processo de inclusão digital brasileiro.

“Elas são responsáveis hoje por 50% do tráfego”, diz Rodrigo Mesquita, sócio da Radiumsystems. “Não tem cabimento tratar microempresários como marginais. Temos de trabalhar melhor esses pontos de inclusão digital.”

Ivo Correa, do Google Brasil, contou que há pouco mais de um ano viu quatro lan houses, em Barreirinhas, na porta dos Lençóis Maranhenses. “A porcentagem de usuários residenciais no Brasil é muito baixa”, afirmou. Ele considera que o atual quadro de inclusão digital, cerca de 60 milhões de usuários, deve ser mudado radicalmente daqui a cinco ou dez anos.

Mecanismo de busca pode identificar tendências políticas

15/10/2009

principais-buscadoresTanto Ben Self, um dos estrategistas da campanha de Barack Obama, como Ivo Correa, do Google Brasil, destacaram a importância dos mecanismos de busca na campanha eleitoral, durante o primeiro período do seminário “efeito Obama”, em São Paulo.

Ben Self apresentou dados dos nomes “Dilma Rousseff” e “José Serra” em gráficos do Google Trends. Esses dados mostram o quanto nomes, palavras e expressões foram sendo digitados por populações específicas – brasileira e americana, por exemplo. “Voluntariado” é algo regular nos Estados Unidos; no Brasil, tem picos, de acordo com determinados eventos.

O estrategista de Obama explicou que também usou o AdWords do Google para prevenir boatos – como o de que o candidato seria muçulmano, e não cristão. Assim, quando alguém digitava “Obama muslim”, o Google já divulgava link para texto da campanha democrata que negava o boato.

Ivo Correa assinalou que esse recurso de propaganda vinculada à busca é proibido no Brasil. “Os governos podem fazer; candidatos, não”. Mas ele afirmou que o Google Trends pode ser uma das grandes novidades na campanha, por conta da medição de tendências.

Correa apontou o Google Moderator como outra ferramenta a ser utilizada. Obama fez um convite no YouTube para que as pessoas fizessem perguntas em oito áreas da administração. “Há ferramentas para as pessoas tentarem mudar o processo de participação nas decisões. E, portanto, as decisões”, disse o diretor do Google Brasil.

Brasileiros falam da estratégia de internet para 2010

15/10/2009

Ivo Correa, do Google Brasil, prefere dizer o que teme: que políticos não tratem bem a internet como deveriam. “Que criem páginas no Facebook, no Orkut, perfis no Twitter, sem criar estratégia para isso. E que esses recursos percam por isso o crédito no curto prazo.”

Ivo foi um dos três especialistas brasileiros que falaram na segunda parte do 1º Seminário de Estratégia de Comunicação e Marketing, em São Paulo. Eles falaram logo após Ben Self, um dos quatro estrategistas que participaram da campanha de Barack Obama.

Max Petrucci, presidente da Garage, compara a estratégia dos políticos com a do mundo das marcas. Ele observa que, além de ter sido um fenômeno em relação à campanha on line, Barack Obama é considerado um fenômeno de marca.

“Como no meio empresarial, o meio político vai ser obrigado a fazer bem feito”, diz Petrucci, citando, por exemplo, a utilização das redes sociais (como o Facebook e o Orkut). “No mundo das marcas, várias que são hoje sinônimo de transparência, participação, preocupação com sustentabilidade, podem perder a liderança em dois ou três anos, pela velocidade da internet hoje. Isso vale para o meio político também.”

Sócio da Radiumsystems, Rodrigo Mesquita considera que o processo eleitoral na internet contribuirá para a articulação da sociedade civil na internet. Para que ela cobre mais dos políticos – tanto dos indivíduos como dos partidos. “Assim poderemos ter um ambiente político mais saudável, menos cínico”, afirmou.

Um resumo do que deve ser feito numa campanha, segundo Ben Self

15/10/2009

emailO objetivo nem precisa ser eleger um presidente da República. As recomendações de Ben Self, estrategista da campanha vitoriosa de Barack Obama, valem para a campanha de qualquer organização, segundo ele. Confira algumas delas, conforme exposição na abertura do 1º Seminário de Estratégia de Comunicação e Marketing, em São Paulo, um evento promovido pela George Washington University:

  1. Falar com regularidade. Não se trata só de usar o email, recomenda Self. Mas utilizá-lo com freqüência. O processo é gradual. “Toda vez que você usa o email você pode melhorar o relacionamento com aquela pessoa ou piorar”, afirma. “Não se pode chegar de uma vez para a pessoa e pedir para ela casar com você”.
  2. Seja relevante. O estrategista exibiu um vídeo de uma corrida de bicicleta, onde um corredor quase na linha de chegada levanta os braços e começa a comemorar. Cai da bicicleta. O segundo colocado vence – e o vídeo insere um rosto de John McCain no que seria o rosto do vencedor. “Milhares de pessoas se voluntariaram nos últimos dias da eleição por causa disso”, conta Ben Self.
  3. Seja autêntico. As pessoas lêem emails enviados por quem elas conhecem. Não querem receber comunicados de imprensa ou newsletters, a não ser que estejam realmente interessadas. “Emails são escritos por pessoas, não organizações”, considera o especialista. “Se não se levar isso em conta não vão abrir o email”.
  4. Seja transparente. Ben Self mostra um vídeo de divulgação de campanha feito com uma câmera em cima do computador – “a pessoa se sente participando”, diz. Um homem dá notícias sobre a campanha. “Não é um vídeo bem produzido de campanha na televisão. Mas é uma atualização”.
  5. Diminuir as barreiras. O especialista questiona o mito de que a internet seria um meio mais freqüentado por crianças e adolescentes. Aos poucos, afirma, baseado em gráficos de utilização da mídia, pessoas de todas as faixas etárias vão usando mais a internet.
  6. Aumentar as expectativas. Pedir sempre mais aos destinatários. Se ainda estão indecisos, convencê-los a votar no candidato. Depois, pedir para que sejam voluntário. Em seguida, sempre numa espécie de pirâmide do engajamento, torná-los doadores de campanha.
  7. Tudo pode ser medido. Esta seria uma das características centrais da campanha na internet. As campanhas longas de antigamente implicavam um retorno mais demorado. “On line, tudo pode ser medido. Se você vai mandar um email para 100 mil pessoas, pode enviar inicialmente para 10 mil e ver o efeito das palavras. Vai mudando aos poucos”.
  8. Vencer. “A primeira coisa a fazer é descobrir qual a paixão que a pessoa tem. As pessoas têm interesse por muita coisa. Pode ser o Barack Obama, um celular, um computador. Se não tem a paixão por aquilo, tem de desenvolver. Com a paixão, desenvolver a tecnologia on line. Então, construir o movimento. E vencer”.